Poemas


ANOTAÇÕES DE FIM DE ANO Refugio-me na solidão do meu mundo Já que tudo é absurdo Ao menos meu erro é meu Ou serei eu o erro? Que diferença faz se não noto diferença Entre homem-santo e homem-bomba? Há uma […]

Anotações de fim de ano


Alfabichos Danton Medrado
J Jacaré ou lagarto grande Quem poderá me dizer? Se ele na água se esconde Lagarto não pode ser. Seria ele um aligátor? Um crocodilo ele é? E Jacaré, bravo responde: – Me chame como quiser! Trecho de AlfaBiChos

Letra Jota – Alfabichos


Inverno Danton Medrado
INVERNO   Nas tardes frias de julho Com pingos de chuva na vidraça, Por mais que eu me agasalhe O frio não passa… Na certa, a noite serei inverno Um dia vocês verão. De onde vim O sol brilhava o […]

Inverno



JÁ FOI TARDE   Partiu sem nem dizer adeus Entrou no carro e sumiu, Os erros, se dela ou meus O próprio tempo assumiu. Quando ela decidida partiu Eu quase fiz um alarde Mas logo o coração consentiu Pensando bem, […]

Já foi Tarde


BARFEISOL   Como caminho traçado a esmo Nas areias do mar do destino Podendo a qualquer momento Esquecer ou ser esquecido Somos ainda meninos perdidos No vai e vem dos desenganos A que se limitam nossos apegos E nossa comum […]

Barfeisol


A VINDA DE ROSA   Deixem que Rosa venha! Assim disposta e sem compromisso Deixem qu’ela saia do cortiço, Deixem-na, pra que o reboliço? Deixem que Rosa venha! Há de ser contraditório, A cidade é grande, isto é notório Mas […]

A Vinda de Rosa



ESTÁTUA   Maldito mosquito profano Veja só que ousadia, Cagaste na cabeça de um deus!    

ESTÁTUA


A FLOR DA LIBERDADE   Cultivo uma flor diariamente A qual o patrão tenta roubar, O pastor diz ter direito a uma parte E o estado insiste em me taxar. A escola diz que é assim que tem que ser, […]

A flor da liberdade


CACOS D’UMA TRISTE VIDA   Eu trago dentro do peito A dor e a desilusão, São mágoas, mas não tem jeito As lágrimas têm sempre razão. Tranco-me em quarto escuro Retido na embriaguez, Meu mundo tornou-se obscuro E desejo morrer […]

Cacos d’uma triste vida



  A VOLTA   O que você chama de volta, É só uma tentação obscura Para o coração que pede escolta.   Porque toda volta se faz insegura Mesmo quando envolta Na mais sublime candura.   É a tentação que […]

A Volta


a espera Danton Medrado
A ESPERA   Espero por seus olhos Na sala de espera, Espero, Pelo brilho de seus olhos, Espero, espero, espero. Não vens… Desespero, desespero, desespero.    

A Espera


IEDA   Tocar a tua pele de seda É dádiva que me negas, E mesmo o mel de teus beijos, Ieda Tu não me entregas. Teu corpo que tanto desejo Teus lindos seios, tua malícia; Candura que em teus olhos […]

Ieda



Danton Medrado fala sobre lojas maçônicas
  Os Construtores do Futuro   Um sonho arquitetado nas luzes da virtude Um desejo nascido das chamas da verdade Surgindo para o mundo com toda amplitude E ideais de liberdade, igualdade e fraternidade.   Frutos de um solene juramento […]

Os Construtores do Futuro


  Em vão, solidão Álvaro Sertano / Danton Medrado   Deparando a solidão posterior às desilusões afronta meu ser, tua perda e paixão. Invocando o saber promissor à redenção inexiste o sofrer provém abolição libertando mentes, corrigindo ações recuperando forças […]

Em vão, solidão


  Dia Mesquinho para Ricardo F. Souza   Muito embora magro, feio e desprezado Segue firme, incompreendido e mal amado Como um Judas ao esquecimento renegado. Mendigando comida, abrigo e carinho Revirando lixos em becos escuros, sozinho Sobrevive a mais […]

Dia Mesquinho



Revolta Armada   Derrubar o patrão vil O estado e a burguesia Fazer jus à rebeldia Vamos à guerra civil. Trabalhadores oprimidos Partamos para a ação Pois só a revolução Fará justiça aos sofridos. Unidos num mesmo ideal De justiça […]

Revolta Armada


Parte de si plena Alda   Audaciosa espera Alda, ciosa impera Sob a nuvem de fumaça Que paira como ameaça No céu dos insones. No Girondino um café Pode ser chopp até, Sem divagar em sonhos A perscrutar os estranhos […]

Parte de si plena


A CURA   Há uma inigualável infinitude No brilho de teus olhos, Um limiar de eternidade, E quando olho me vejo Refletido na límpida retina Como se fosse parte dela. Há uma transparente imortalidade Em teu sorriso espontâneo, Não é […]

A Cura