Cacos d’uma triste vida


CACOS D’UMA TRISTE VIDA

 

Eu trago dentro do peito
A dor e a desilusão,
São mágoas, mas não tem jeito
As lágrimas têm sempre razão.

Tranco-me em quarto escuro
Retido na embriaguez,
Meu mundo tornou-se obscuro
E desejo morrer de vez.

Porém a morte demora
E a aguardente se acaba,
Meu ser a angústia devora
E meu corpo logo desaba.

Eu trago dentro de mim
Cravado como ferida,
Sofrimento, mágoa, enfim
Cacos d’uma triste vida…